segunda-feira, 17 de abril de 2017

Isto é muito importante para os homens

A menstruação é um dos problemas mais grave na vida dos homens. 
Tenho a certeza que já estão a dizer "Fosca-se que o bloggista assassino pifou de vez" mas não, nunca estive tão lúcido.
 Apesar de a menstruação ser um defeito das mulheres (não gritem que vou já clarificar este ponto), afeta muito o relacionamento amoroso dos homens não só porque em 20% do mês a mulher não quer fazer daquilo mas também porque uma grande maioria fica irritadiça ou mesmo impossível de aguentar.
O grave disto é que é exatamente nestes dias que os homens se iniciam no vinho, nas putas e, mais grave ainda, no gravíssimo e degradante hábito de ver jogos de futebol.
Atrás do vinho e das putas, já sabemos, vem o défice, a dívida pública e os populistas de direita pois, os esquerdistas são apenas utópicos que procuram com as suas extraordinárias ideias construir a sociedade perfeita onde o homem não explora o homem.
 Já agora, o homem, a mulher, o porco, a galinha, o coelho, elefante, o leão do circo, o mosquito, mais não sei quantos animais e bebidas com açúcar não exploram o homem, a mulher, o porco, a galinha, o coelho, elefante, o leão do circo, o mosquito, mais não sei quantos animais nem bebidas com açúcar.
Por este andar em que os utópicos estão a tomar conta de tudo, qualquer dia a única coisa politicamente correta e possível sem pagar um imposto ou uma taxa será apanhar na bolha.
Melhor dizendo, bolha não é correto, no novo léxico esquerdista politicamente correto, é "fazer o amor no órgão sexual masculino recetor". 
Tenho que fazer uma pequena correção pois é "fazer o amor no órgão sexual masculino recetor inferior" porque "fazer o amor no órgão sexual masculino recetor superior" (leia-se, manápula) não paga imposto mas é pecado mortal apesar de muito usado por padres, seminaristas e professores universitários.
Mas também causa divórcios porque nesses dias as mulheres têm o olfato apurado e, por causa disso, descobrem perfumes no pescoço dos homens que nunca deveriam descobrir.
Atrás do perfume vêm as discussões, a louça partida e, como nem todos os homens são como o Carrilho que aguenta estoicamente, a pancadaria e, por fim, os assassinatos.


Eu fui ao ginecologista!
Um velhote todo divertido.
Fui lá com a ucranianazinha pois, como já toda a gente já sabe, sofre de endometriose.
Eu arranjei-lhe Transtec 35 microg/h que ela cola 1/4 quando começa a sentir uma dorsita. Depois, quando a coisa aperta, vai Naproxeno.
Antes de ir, estive a investigar todo o seu passado clínico da ucranianazinha para escrever um "relatório médico" para o médico poder, rapidamente, ter acesso a toda a informação.
Claro que ela dizia "O médico não vai querer ler nada disto e, se for bom, olha para mim e vê logo o que eu tenho."
 
Mas eu lembrei-me de uma história de um médico.
Um paciente foi ao médico e, às perguntas "doí-lhe isto, doí-lhe aquilo," respondia sempre, "eu vim cá para o Sr. Doutor me dizer o que eu tenho e não o contrário."
Ao fim de 5 minutos o médico disse "O Sr. vai ter que ir a um médico mas a um veterinário pois eles é que descobrem tudo sem o paciente falar. Mas aviso-o já, na grande maioria dos casos, o tratamento consiste no abate sanitário."

Vamos então ao velhote.
Foi no Arrábida, custou 70€ e o velhote chamava-se Dr. António Alves.
O velhote é muito simpático e engraçado como se exige em alguém com tal especialidade.
Mas, na conclusão, disse uma coisa interessante.
Se uma mulher tem dores menstruais, a primeira coisa que tem a fazer é interromper a menstruação tomando pílulas de forma contínua.
Apontou a pilula "Esogestrel 0.15 mg + Etinilestradiol 0.02 mg" (conhecida por Merchion) que se vende em pacotes com 63 pastilhas (que dão para 2 meses), e tomar disso até pelo menos aos 50 anos.
Se, no entretanto, quiser tentar engravidar, interrompe o tratamento.
Good bye menstruação.
Só assim é que se pode parar a endometriose de evoluir.

Ai mas isso não é natural!
Lá na Ucrânia as pessoas não gostam de tomar comprimidos, só tomam coisas naturais como chá de limão (com rodelas de limão lá dentro), mel, pólen e geleia real.
Dizem que é por não serem naturais mas a verdadeira razão é o preço.
Os medicamentos não são comparticipados e uma carteira de 63 pílulas custa cerca de 450 Hryvnas (15€).
Quando uma professora universitária ou um médico ganham 3200 Hryvnas (110€) por mês para pagar as despesas todas, já vêm que não é possível tomar comprimidos.
Se calhar por isso é que as pessoas morrem por lá tão novos, não tendo nada a ver com Chernobyl.

Terá a menstruação alguma função biológica?
Cada vez mais pessoas concluem que não.
Que é apenas um defeito que a Seleção Natural não conseguiu corrigir.
Apenas causa desconforto, dor, perda de ferro (anemia) e de dias de trabalho e de brincadeira.
E, como já disse, faz os homens gastarem o seu orçamento em putas, vinho e idas ao futebol com todas as consequências macroeconómicas nefastas que dai nascem e mesmo incidentes diplomáticos que podem levar à guerra na Europa, entre os países do Norte e os desgraçados dos países do Sul ,que têm "o défice mais baixo da história da democracia".

Concluindo.
Se tem uma mulher rabugenta, sempre com "dores de cabeça" e irritadiça, interrompa-lhe a menstruação enfiando-lhe pílulas todos os dias até à sua morte (por causas naturais ou outras).
Mesmo se tiver uma filhinha que apenas não quer ir à piscina ou à ginástica argumentando "Pai, são coisas que não te posso contar" meta-lhe na bebida sem açúcar uma pílulasinha que isso logo passa.
No caso de ter uma sogra ainda abaixo dos 50, aplique-lhe o mesmo tratamento que vai ver que a sua vida vai melhorar significativamente.
Pouca dinheiro não só no vinho e nas putas como as pílulas (que uma caixa com 63 custa 1,34€) ainda lhe vai permitir poupar dinheiro em pensos e outras porcarias que as mulheres gastam.

Será natural andar de carro?
Há tanta coisa que não é natural, desde andar de carro e usar sapatos até beber água desinfetada.
Mas termos acesso a coisas tecnológicas é o que permite que vivamos até aos 90 anos de idade (e que trabalhemos até aos 70 anos com ocupações leves e a viver com acesso a muitos bens e serviços) quando os antigos só duravam até aos 30 anos (como Jesus, ok, foi por meios tecnológicos que o despacharam para junto do Pai) e tinham que trabalhar de sol a sol a cavar terra para passar uma vida de fome e de miséria.
Homens, vamo-nos unir e acabar com a menstruação.

Autor desconhecido

sexta-feira, 7 de abril de 2017

O processo

Tenho que dizer alguma coisa sobre o meu processo.
Mas não o vou fazer porque me sinto cheio de raiva, de sentimento de injustiça ou pensando que, com isto, vou desmascarar seja quem for. 
É que, enquanto individuo, não penso ter sofrido qualquer dano, antes pelo contrário (como demonstrarei).
Faço-o apenas porque outras pessoas sofrem todos os dias o mesmo e não conseguem ter a liberdade de espírito para tomar a vacina de forma a deixar a forças malignas trabalhar à vontade.

De que terei sido acusado?
Um dia recebi um email de um advogado dizendo que eu escrevi neste blogg barbaridades em meu nome e da faculdade de economia do porto.
Vi logo que já estava condenado fosse do que fosse porque nunca jamais escrevi nada em nome de quem quer que fosse pois nunca fui para isso mandatado.
Bem, minto porque já escrevi "livros de termos" com as notas dos meus alunos, mas foi a única coisa que já fiz em nome dos meus patrões.
além do mais, desde o outro processo que sofri há 10 anos, condenado com o mesmo argumento, faço o mínimo possível em nome da minha entidade patronal (i.e., trabalho o mínimo possível), tendencialmente, zero.

Os escritos foram à comissão de ética.
Estes, tal qual o santo ofício, declararam que eu causava desprestigio à instituição.
Não cometi nenhum crime punido com 3 anos de cadeia (como prevê a Lei para coisas feitas fora do trabalho) mas apenas, o santo ofício, disse, cometeu um pecado que nos diminuiu o prestigio.
Isto sem nenhum perito em prestígio nem nenhuma fundamentação quanto à minha obrigação enquanto trabalhador de uma instituição de manter o seu prestígio.
Eu até perguntei a uma pessoa "E se eu andar nu num centro comercial, será que a comissão de ética se vai pronunciar"?
Pelos vistos sim, se for eu.

A pena disciplinar é o próprio processo.
O processo disciplinar é uma espécie de rede de aranha em que o visado, o inseto, se debate até perder as suas forças. Quanto, por um lado, mais injusto e estúpido for o processo e, por outro lado, mais forte for o inseto, mais se vai debater e maior vai ser o dano que vai sofrer.
É que, por um lado, quem acusa é pago à hora com dinheiros públicos tendo, por isso, um incentivo a distrair-se a inventar coisas para o seu patrão que quer o inseto condenado. Por outro lado, o inseto tem que pagar do seu bolso a defesa.
Assim, porque já sei como isto funciona, recusei-me sempre a receber qualquer carta ou a consultar qualquer peça processual.
Assim, não sei do que sou acusado, nem nunca o saberia pois seria qualquer coisa como "violação do dever de zelo" nem quero saber.
Se, por acaso, alguém o quiser saber, terá que o pedir a alguém, talvez ao reitor da universidade do porto.

O que será o dever de zelo?
Lá existe uma definição "O dever de zelo consiste em conhecer e aplicar as normas legais e regulamentares e as ordens e instruções dos superiores hierárquicos, bem como exercer as funções de acordo com os objectivos que tenham sido fixados e utilizando as competências que tenham sido consideradas adequadas."
Mas nunca ninguém diz quais são as normas legais e regulamentares, diz que ordens e instruções dos superiores hierárquicos foram violadas, apresentam os objetivos fixados e em que medida as funções se desviaram deles.
Fica lá apenas escrito "violou o dever de zelo"
Não será exatamente isto que vemos quando Joshef K. à sua afirmação "Estou inocente" ouve o acusador perguntar "Mas está inocente de quê?"
Como pode alguém dizer que está inocente de ter violado o dever de zelo se nunca lhe é dito o que é que violou?

No final, tive 30 dias de férias.
Estes 30 dias devem-me custar 1500€. Claro que eu ganho 3760€/mês mas, como não pago IRS e outros descontos, em termos líquidos vai ficar nos 1500€ de prejuízo (sim, eu estou no escalão mais elevado do IRS e ainda pago sobre-taxa).
Mas não dei 21 horas de aulas que correspondem a 10% do meu trabalho letivo anual.
Por isso, deixei de trabalhar 10% do meu tempo e cortaram-me 5% do meu rendimento.
Acho que foi um bom negócio, só tenho pena que não seja assim todos os semestres: depois de uma semanita de aulas, 30 dias de férias.
Se quiserem assim, assino logo por baixo.

Venham mais destas.
Não penso fazer lógica nenhuma uma pena como a que eu sofri. 
Se fizesse lógica, eu faltar ao trabalho seria positivamente visto pela minha entidade patronal (com o correspondente não pagamento) mas não, metem-me logo outro processo disciplinar.
Por isso, o processo disciplinar não passa de espírito de porco em que se tem que fazer o que se imagina que o inseto não quer que se faça.
Por isso, a pena que vamos sofrer é o próprio processo, vermo-nos acusados de nada, com a condenação mais do que certa por causa de coisas que não fazem qualquer sentido.

Quanto a mim, já estou imune a palhaçadas.

O meu conselho para todos os perseguidos.
Mentalizem-se que, façam o que fizerem, já estão condenados. Por isso, não façam nada.
Não recebam cartas, intimações nem leiam nada que diga respeito ao vosso processo.
Eu, já faz 10 anos, que não vou levantar o meu correio ao cacifo. Até já ninhos de rato lá deve haver.

Depois, metalizem-se que ter um processo é bom.
Esta aprendi com um amigo meu italiano.
É bom sinal não gostarem de nós no emprego porque isso traduz que o nosso salário está acima do valor das coisas que produzimos.
Quanto menos gostarem de nós, mais nos quiserem ver pelas costas, mais felizes devemos estar porque mais ganhamos acima das nossas possibilidades.
Mau sinal é quando gostam muito de nós: estamos a ser explorados.

Outra coisa é que, depois, temos mais um argumento para não fazermos nada: "Não vale a pena esforçar-me porque, faça eu o que fizer, já sei que não vão gostar de mim, eu sou um coitado de um perseguido".

Cumprimentem sempre os algozes e façam de conta que são uns desgraçados tontos.
Seja forte e faça-se fraco.
Seja inteligente e faça-se burro.
Odeie e faça-se amigo.
Troque-lhes as voltas que os coitados até vão começar a dizer, por vergonha, de terem feito tamanha maldade a um desgraçado imbecil "Não fui eu que fiz o processo, foi o reitor."

Tomem a vacina contra processos.
Deixem fluir, chato é ter dores de reumático mas até isso se ataca com umas pastilhas de Naproxeno.
Deixem fluir essas energias negativas, conversar muito e trabalhar pouco, pegar num lápis e dizer que vai fumar e, se mesmo assim a coisa não funcionar, vão ao médico de família e peçam 15 dias de baixa médica porque "Não consigo dormir e tenho ataques de pânico e já não consigo levantar o abono de família."

Por falar nisso.
Estou com tensão arterial alta e os meus dentes estão a caminhar para a frente o que, diz o meu médico, é devido ao stress.
Se não estivesse aqui a ucranianazinha (que quer ir às minhas aulas), já teria metido uns 15 dias a ver se a coisa melhorava.
E se 15 dias não chegarem, voltem lá que ele dá-vos mais 145 dias.
O meu falecido pai, entre baixas e dias na biblioteca sem fazer nada, esteve apenas 9 anos seguidos, desde os 61 até se reformar por limite de idade já passava dos 70.

Um abraço camaradas.


quinta-feira, 9 de março de 2017

O cancelamento da conferência do JNP e a minha suspensão de 30 dias

Porque será que eu agora pouco escrevo? 
Será porque me aplicaram uma suspensão de 30 dias sem receber salário?
Não porque nessa suspensão também está incluído que não trabalho.
Assim, estamos quites: eu não recebo mas também não trabalho.
Até cheguei a ponderar pedir ao Sr. Diretor que me aplicasse 45 dias a ver se apanhava até às férias da Páscoa e a fazer o mesmo todos os semestres.
Tenho pena é do Bilinho que está a dar as "minhas" aulas e ninguém lhe paga.
Afinal, ele é que foi o castigado.
Se não é por causa disto, porque será?

A liberdade dos esquerdistas é a tirania.
Liberdade é deixarmos os outros dizer o que nós não queremos ouvir, é deixar os outros tomar as opções que não achamos recomendáveis.
Se as pessoas dizem apenas o que queremos ouvir, então, não precisam de liberdade.
E é essa a liberdade dos esquerdistas: podes dizer e escrever tudo o que te venha à cabeça desde que isso seja o que eu quero ouvir e ler.
Senão, estás fodido, vais apanhar com toda a ética da esquerda, sim, eu fui julgado pela comissão de ética da universidade do porto.
Sim, tudo em letra pequenina.

Mas é por causa da ucranianazinha.
Eu estou solteiro há muitos e muitos anos, descontando os tempos em que era criança e o tempo de estudante que andei metido com a brasileira, já lá vão mais de 20 anos.
O que eu não percebo é como os homens casados conseguem ter cabeça para trabalhar!
A coisa começa por nada, um sinal que apareceu na cara, um telefonema de alguém que falou em português e que eu tenho que descobrir quem foi e o que disse, ou por um "estou hoje de mau humor"
Depois, aquilo vai aumentando, aumentado, passa para um berreiro que inclui sempre "bem a minha mãe me disse que os homens portugueses não prestam para nada" e acaba num "o pior dos namorados que eu tive era 1000 vezes melhor do que tudo e, ainda por cima, és velho, cheiras mal e só usas roupas usados que os ciganos tiraram aos mortos para tas venderem a 0,50€ a peça."
E, o pior, é que quando eu decido "estou farto, vou meter esta gaja porta fora do meu carro aqui mesmo no meio da VCI e que venha a polícia busca-la" ela muda de registo como que por milagre, começa a pedir-me desculpa e, passados apenas 10 segundos, já sou a melhor pessoa que encontrou na vida dela.

Eu bem tento o meu melhor.
Mas fico sem cabeça para mais nada.
Tanto tenho que lhe fazer uma massagem por todo o corpo como logo nem lhe posso tocar na mão.

Eu queria falar sobre o salário mínimo nacional.
Quero apenas dizer que, entre o ano 2000 e 2017 a economia nominal per capita cresceu cerca de 47% (média de 2,3%/ano) enquanto que o Salário Mínimo Nacional aumentou 75% (média de 3,3%/ano).
O crescimento da economia nacional per capita traduz o aumento da produtividade de cada trabalhador e o SMN traduz quanto os menos produtivos viram o seu salário aumentado.
Em 17 anos, os trabalhadores menos classificados, aqueles que estão mais expostos à concorrência internacional (não os funcionários públicos como eu), o Estado diz que agora, apenas podem trabalhar se o salário for superior em quase 20% relativamente aos ganhos de produtividade ao que era em 2000.

O resultado?
Os desclassificados (principalmente, mulheres e jovens) têm cada vez mais dificuldade em trabalhar com um contrato de trabalho.
Ficam-se pelas 30h/mês como Empregadas Domésticas e uns recibos verdes.
É que não existe nenhum estudo científico que diga que a imposição de um Salário Mínimo protege os trabalhadores de produtividade menor.
O máximo que existe é que, se for abaixo de 35% do PIB per capita, não tem muito efeito negativo.
Mas os esquerdistas não deixam nunca a tecla de que é preciso aumentar e aumentar e aumentar uma coisa que só serve para prejudicar quem anunciam que estão a beneficiar.

Mas têm que reconhecer que vale a pena ouvir impropérios da ucranianazinha!

(Não posso assinar senão os esquerdista despedem-me, também queriam uma gaja assim e não aquelas lesbicas esganiçadas)

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O Carrilho, a violência, a eutanásia

Será que numa relação temos direitos sobre a outra pessoa? 
No modelo tradicional de relação amorosa, um parceiro passa a ter direitos sobre o outro parceiro.
E, como estamos mergulhados nesse modelo tradicional, achamos natural esses direitos.
E é isso que mostram os estudos de opinião.
Por exemplo, ninguém considera como uma violação o marido ter práticas sexuais com a mulher em algum dia que ela não o queira.

E, realmente, é demais!!
Diz o nosso Código Penal que quem, por meio não muito violento, coagir a mulher a práticas sexuais é punido com pena de prisão de 1 a 6 anos (Art.º 164-2).
Estão ali os dois nus enroscados e a mulher diz "hoje não porque doí-me a cabeça". O homem aperta-a um pouquinho e ela abre as gambias para ele meter o carrinho na garagem e, depois de repetir isto uma meia dúzia de vezes ao longo do ano, o homem apanha 15 anos de cadeia.

Não faz qualquer sentido.
Eu acho que se uma pessoa diz "Não", além de não ser preciso invocar qualquer razão, tem que ser respeitada a sua vontade mas, daqui, comparar o parceiro sexual normal com um violador é anedótico.
A mulher disse ontem sim, hoje diz não, amanhã diz outra vez sim, depois não e por ai fora para no fim do mês o homem tantos anos de cadeia como se a tivesse matado.
Isto é totalmente diferente de alguém ser agarrado por um desconhecido na rua e ser obrigado a práticas sexuais contra a sua vontade.

Fig. 1 - Não deve ter sido nada de positivo!

Mas vamos ao Carrilho.
Se o homem não pode obrigar a mulher a ter práticas sexuais, também não tem o direito de lhe impor seja o que for na sua vida privada.
A mulher tem o direito de fazer o que bem entender da sua vida seja embebedar-se, cheirar mal, cantar desafinado, usar mini-saia e decotes provocantes ou mesmo ter relações sexuais com outras pessoas.
Quem não gosta disso, pura e simplesmente, salta fora do comboio. 
Não pode é, argumentando, "eu amo-te muito e isto é para o teu bem", proibi-la de ter amigos, sair à noite, beber uns copitos ou fazer o que bem entender da sua vida e, caso isto aconteça, tentar destruí-la em termos pessoais e profissionais.
Eu penso mesmo que isto é mais violência do que "pressiona-la" a deixar meter a minhoquinha na quentinho.

Mas sexo também tem a ver com religião.
Se analisarmos os pecados, as religiões combatem a felicidade e o prazer.
E, como o sexo dá prazer, as religiões elegeram as suas práticas como principal mal da humanidade.
É uma focalização tão forte no sexo que, quando a Bíblia diz que o Adão comeu do fruto da árvore da sabedoria (sem mais nada especificar), foi logo dito que "a Bíblia diz que fomos expulsos do Paraíso porque o Adão carimbou a Eva." 
A cobrinha não seria nada mais do que a minhoca do Adão e que o primeiro homem, olhando para a sua minhoca (que nessa altura falava) e para a toca da Eva, somou dois com dois e pensou, o lugar desta minhoquinha é na toquinha da Eva.

Eu sou contra a eutanásia.
Faz agora um ano, quase que mataram a minha mãe num hospital. Não vou dizer o nome desse hospital apenas porque a minha mãe continua a fazer lá hemodiálise.
A minha mãe falava, tal com fala hoje, queria viver (diz que quer durar pelo menos mais 10 anos), não tem  dores insuportáveis (controlo-as facilmente com buprenorphine) mas uma médica decidiu há uma ano, sem nada perguntar à minha mãe nem a mim, que estava na hora de morrer. O argumento foi " A coitadinha está a sofrer tanto que o melhor para ela é acabarmos com o seu sofrimento."

Mas será que a morte liberta do sofrimento?
Concerteza que não. 
A morte apenas acaba com a vida e a vida tem alegrias, tristezas, felicidade e sofrimento.

E agora vamos a questões práticas.
Será que uma pessoa idosa, doente e num momento de sofrimento, estará suficientemente lúcida para tomar a decisão de acabar com a sua vida?
Não.
A minha mãe ainda hoje, quando acordou, pensou durante longos minutos que estava na praia. Quando eu liguei o televisor disse admirada "Como conseguiste arranjar electricidade aqui no meio do areal? Compraste uma televisão a pilhas?"
Com o passar dos minutos começou a dizer "Interessante que esta praia é muito parecida com o meu quarto. Olha, olha, apareceu ali um guarda-fatos igual ao meu, deve ter sido trazido pelas ondas."
E, depois, ficou bem. 

Uma médica disse-me.
"Se não desligarmos a hemodiálise a sua mãe nunca mais morre."
Se não morrer mais, paciência, é sinal que eu continuo a receber a pensão.
Naturalmente que as pessoas não morrerem mais é um problema económico grave, o óptimo seria meter no dia do nascimento de cada um um bomba na cabeça programada para explodir aos 70 anos.
Mas não se pode fazer porque, olhando o que aconteceu com o Hitler, daqui a nada, nós próprios somos vistos como um fardo para a sociedade.

Nós temos que nos sentir seguros.
Não eu ter todo o cuidado com a saúde da minha mãe, dar-lhe os medicamentos à hora, comidinha, tudo como deve ser, leva-la para um hospital com a ideia de que vai melhorar e, pura e simplesmente, matarem-na.
A minha mãe passou-me logo um procuração a dizer que "Quando eu não estiver no meu juizinho, o meu filhinho passa a ter poder de decisão sobre o que se passa comigo."

Fig. 2 - Afinal a Morte não é assim, veste bata branca, usa estetoscópio e trabalha num hospital

A sociedade pós verdade.
Agora o Centeno, o Carlos Costa e a pós verdade.
Claro que já ninguém se lembra mas há uns meses, o Centeno continuamente atacava o governador do Banco de Portugal.
Era uma novela mesmo feia.
Um dia isso acabou!
Alguém é capaz de identificar o acontecimento que fez com que o Centeno deixasse de atacar o Carlos Costa?
Eu lembro-me.
Foi o Teixeira dos Santos ter obtido por parte do governador do Banco de Portugal o "atestado de idoneidade" para ser presidente do BIC.
Concerteza que foi apenas uma coincidência temporal.


Provavelmente, vou ter outro processo por ter identificado esta coincidência!
Antigamente havia a honradez da "palavra". Agora, já nada vale, é tudo uma má interpretação.
Digamos que o Centeno se transformou num cabalista, o que foi dito pela sua boca quer dizer tudo o que quisermos que diga e também o seu contrário.
E isto e a imagem seguinte (foi eu que a censurei, à cautela)

Em nova isto estava mais no sítio mas ainda estou aqui para a brincadeira.

Agora tenho que ir dar o lanche à minha mãezinha que a pensão está quase a chegar.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

A vaca voadora vai acabar com a geringonça

A vaca voadora deveria fazer voar o crescimento. 
Sendo que queria esquecer a década da estagnação económica com endividamento desenhada pelos esquerdistas do PS (a década 2000/2010) e, mais recentemente, os anos da crise do Sub-prime e das dívidas soberanas de 2008-2012, aguentados estoicamente pelo Passos Coelho, quando os 12 Sábios do PS anunciaram que no quadriénio 2016-2019 a economia iria crescer uma média de 3,1%/ano e o António Costa mostrou uma vaca a voar, pensei mesmo que o Costa era o verdadeiro D. Sebastião há tantos anos esperado.

O problema é que o Costa é apenas populismo de esquerda.
Vão dizer que eu estou enganado porque que populismo é apenas um fenómeno da direita, lá do Trump da da Le Pen. 
Do lado da esquerda é a construção da Sociedade Utópica onde não há exploração do homem pelo homem, onde o grande capital e as multinacionais não existem e onde cada um vive optimamente com o seu bocadinho de terra onde cultiva as suas batatas, couves e cebolas em harmonia com a Natureza e sem maltratar os animais. Naturalmente, nessa sociedade utópica cada um receberá um salário capaz de satisfazer as suas necessidades e trabalhará de acordo com as suas capacidades.
Camarada Costa, manda vir essa sociedade o mais rapidamente possível!

Mas a vaca está a fazer voar os juros!
Parece que a vaca voadora leva agarrada às tetas não o crescimento mas as taxas de juro!
O mais certo é o Costa ter que mandar um míssil, daqueles que os Iranianos andam a testar, à vaca a ver se a coisa pára de subir.

Fig. 1 - Evolução da taxa de juro soberana portuguesa a 10 anos

A culpa será mesmo da vaca voadora ou do VIAGRA da dívida e do SMN?
OK, bem sei que o Centeno, o Costa e o Marcelo não se cansam de repetir que o défice vai ficar nos 2,3% do PIB.
Vamos supor que tal vai ser conseguido. Como o PIB 2016 deve ficar nos 184850M€, o endividamento líquido do Estado em 2016 deveria ter aumentado, 
184850M€ * 2,3% = 4250M€

E quanto diz o Banco de Portugal que aumentou a Dívida Pública?
Durante 2016, a dívida pública aumentou 9500M€, 5,1% do PIB.
Bem sei que anuncia lá que a Geringonça aumentou os depósitos em 4000M€ mas, feitas as contas, dá um aumento líquido da dívida de 5500M€.
Fazendo a conta em sentido inverso, dá
   5500/184850 = 2,98% do PIB

Para que servem os 4000 milhões de "almofada"?
Para quê pagar juros sobre 4000 milhões €?
É porque o Costa não acredita no que diz.
O Costa acredita que, pelo que está a fazer, vem aí tempestade e da grossa.

E quantas coisas terão sido marteladas?
Não faz qualquer sentido o aumento da receita fiscal em combustíveis e em tabaco.
Se o imposto sobre os combustíveis só subiu um cêntimos e o consumo não aumentou, não pode ter havido um aumento de mais de 50% na receita fiscal.
É apenas um artifício para enganar o povinho.

E há o problema da Economia.
Bem sei que na Ucrânia o Salário Mínimo mais do que duplicou.
Agora, a ucranianazinha está a ganhar como professor universitária menos que o salário mínimo!
E o argumento é o mesmo dos 12 sábios do PS:

1 = A subida dos salários não causa desemprego
2 = Salários mais elevados vai causar um aumento do rendimento.
3 = Mais rendimento causa mais consumo
4 = Mais consumo causa mais produção
5 = Mais produção causa mais emprego.
6 = As contas públicas melhoram por causa do aumento para a SS, IRS e IVA.

Onde falha isto?
Na premissa inicial que é falsa: se a subida dos salários não causasse desemprego, os salários em todo o mundo aumentariam para 1000000€ por hora para logo aumentarem para 1000000€ por segundo.
Parece-me que é este o salário no Zimbabué mas em Dólares de Lá, que nem valem o papel usado.

Para terminar, falar um bocadinho na ucranianazinha.
Reconheço que é boa, um bocadinho pequena para o meu gosto mas boa.
O problema é que decidiu que não me quer.
Como todos sabemos, quando isto acontece, nada mais um homem pode fazer que não seja aceitar e ir à sua vida.
Podia desejar-lhe felicidades mas seria falso da minha parte.
O que eu espero é que tenha uma vida de miséria e que, daqui a uns mesitos, me mande um e-mail a pedir que a vá socorrer.
Imagino chegar lá e ela toda chupadinha, com as mamas já pequenas reduzidas a uns balõezitos esvaziados.

Fig 2 - Dear Pedro, as I have told you, darker hair made me even more beautifull. Lets go make love.

Kisses my dear, fuck you

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Os reis magos e o diabo

Bem sei que tenho estado ausente. 
Estive a ver a minha última mensagem e já foi há 50 dias. Penso que nunca estive tanto tempo sem escrever nada.
No entretanto, estive 15 dias de baixa médica, tive guerras terríveis com a ucranianazinha e fiz outras tantas vezes a paz e tive conhecimento de um boato de que vou sofrer a maior pena disciplinar que jamais foi aplicada nos 62 anos que dura o meu posto de trabalho (por causa deste blog quando a Constituição garante a liberdade de expressão e eu não ofendi ninguém do meu emprego nem fiz nada de mal no meu emprego),

Estou a escrever porque a minha cabeça libertou-se, parcialmente, da ucranianazinha.
As mulheres têm o poder para dar cabo da cabeça dos homens. Como, dizem as estatísticas, as nossas cabeças são muito frageis e não conseguem compreender o que as mulheres dizem, quando elas começam a fazer jogos de sedução e repulsa, dão-nos um nó cego.
Mas, depois de uma desentoxicação feita com muita meditação zen, caminhadas e ..., já estou um pouco liberto.

Vamos ao Diabo e aos Reis Magos.
Quando o Passos Coelho falou nestas figuras biblicas, penso que ninguém compreendeu a quem ele se estava a referir.
O Diabo é exactamente o Passos Coelho ajudado pela Maria Luís à direita e a Cristas à esquerda.
Os Reis Magos são o FMI, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu.

O Passos queria dizer que ...
Estadno a geringonça a trilhar novamente o caminho já experimentado pelo Sócrates em 2008-2009-2010, não demora nada o Costa vai deixar de conseguir financiar o Estado, vai ter que pedir novamente um  resgate à Troika e, novamente de urgência, o Passos Coelho vai ter que assumir a governação.

Vamos aos factos sobre a taxa de juro.
A dificuldade em arranjar financiamento traduz-se na taxa de juro que os investidores exigem para emprestarem dinheiro a Portugal.
E, desde que, em Março de 2015, atingiram um mínimo de 1,6%/ano, as taxas de juro nunca mais pararam de aumentar tendo ontem ultrapassado os 4%/ano o que já não se observava desde Março de 2014, já lá vão 58 meses.


Fig. 1 - Evolução das taxas de juro a 10 anos da dívida pública portuguesa

Dizem os esquerdistas: "Isso está a acontecer por toda a parte"
Dizem mas não é verdade.
O povo português, contrariamente ao americano que elegeu o Trump mesmo contra toda a comonicação social, é muito seguidista da propaganda transmitida na nossa comunicação social que é toda, mas mesmo todinha, virada para o lado dos esquerdalhos.
E o Costa é só propaganda, fala em reposição de tudo e de nada mas, no entanto, eu vou em 2017 receber menos 20% do que recebi em 2010. 
Além do "aumento colossal no IRS" do Gasparzinho que o Costa disse ser amoral, aqueles outros 10,1% que o Passos cortou na minha futura reforma e que o Costa disse cobras e lagartos, nunca mais ouvi uma palavra de "vou repor".

Mas vamos ao que interessa.
Como eu ensinava, a diferença entre a taxa de juro portuguesa e a alemã traduz a probabilidade de Portugal bancarrotar.
Digo "ensinava" e não ensino porque, tendo eu sofrido a pior pena disciplinar de sempre, só posso ser muito mau, o pior que jamais passou pelo meus emprego. Sendo eu a pior pessoa de sempre, tenho agora a liberdade para nunca mais ensinar nada. Fazendo 52 anos brevemente e não tendo a ucranianazinha  para me gastar o dinheiro, não preciso fazer mais nada na vida porque, sendo despedido, tenho direito a mais de 3 anos de subsídio de desemprego e, depois, posso-me reformar aos 57 anos.
Então, eu ensinava isso e a nossa diferença para a taxa de juro alemã (o famoso spread de risco) também não tem parado de subir.
O risco em 2015 estava estável em 2,0%/ano face à Alemanha e 0,7%/ano face à Espanha e hoje está em 3,8%/ano face à Alemanha (+ 1,8pp) e 2,5%/ano face à Espanha ( + 1,8pp).
Interessante notar que o aumento do risco face à Alemanha é exactamente igual ao aumento face à Espanha o que os esquerdalhos querem esconder quando dizem "isso está a aconteccer em todos os países do sul da zona euro."

 Fig. 2 - Evolução do spread português face à Alemanha e à Espanha (dados: BCE)

Como nos comparamos hoje com Março de 2011?
Os reis magos anunciaram o resgate em Março de 2011 e, na altura, o spread de risco da nossa taxa de juro a 10 anos face à alemã era de 4,4%/ano. Hoje estamos com um spread de 3,8%/ano o que se verificava apenas 3 meses antes do pedido do resgate (em Dezembro de 2010)!!!!!


Fig. 3 - Comparação entre Março de 2011 (zero nas absissas) e dos últimos tempos do spread de risco português face à alemanha (dados: BCE)
Lá terão que vir outra vez os reis magos.
E, mais uma vez, pela mão das esquerdas e no seguimento das "políticas de crescimento e emprego" keyneasianas. 
Olhando para a evolução das nossas taxas de juro, a probabilidade de Portugal ter que pedir um segundor esgate antes das eleições autárquicas é enorme.

As percentagens e os pontos percentuais.
Haverá leitores mais atentos que dirão "o bicho não sabe nada porque refere %/ano e deveria ter referido pontos percentuais."
De facto, não é bem assim.
Quando temos uma taxa de juro com risco, por exemplo 5,00%/ano, e outra taxa de juro sem risco, por exemplo, 1,00%/ano, a diferença "simples" é em pontos percentuais, 5,00-1,00 = 4,00 pontos percentuais.
Mas estes 4,00 pontos percentuais não medem o risco de perda total implícita na taxa de juro que deve ser calculo como:
      (1+5,00%/ano)/(1+1,00%/ano) -1 = 3,96%/ano
Este cálculo traduz que uma pessoa que tenha emprestado dinheiro a este país tem uma probabildaide de 3,96 de no próximo ano perder todo o seu dinheiro.

Vamos supor que a bancarrota implica um hair-cut, perdas, de 30%.
Para o nosso spread de 3,8%/ano face à Alemanha, isso traduz uma probabilidade de acontecer a bancarrota em cada um dos próximos 10 anos de
    %bancarrota*70% + (1 -%bancarrota)*100% = 1-3,8%/ano

1 -%bancarrota*30% = 1-3,8%/ano
%bancarrota = 3,8%/ano/30%= 12,7%/ano

A probabilidade de Portugal bancarrotar nos próximos 12 meses e atirar três vezes uma moeda ao ar e, das três vezes, sair cara!
Parece-me bastante elevada!

Fig. 4 - Para não ser despedido, só posso por mulheres boas destas

Este testo foi iscrito ao abrigo do acordo hortugráfico por Mário Soares, Internado nomeru 354 do Hospital da Cruz Vermelha.
Querem saber a pergunta simples que me fizeram quando recuperei a consciência? Aqui vai:
-Onde está o marfim?
- Que marfim?
- O marfim!
- O marfim?
- Sim o marfim, o que tinha o selo.
- Que selo?
- O selo com o vara!
- Que vara, vara é feminino?
- O vara e não a vara.
- O vara?
- Sim, o vara que meteu 1000 milhões da CGD na mão do Berardo.
- Bernardo, que Bernardo?
- Berardo.
- O melhor é voltar para o meu coma!

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Hoje vou falar do problema da dor crónica

OK, todos nós já estivemos doentes.
Eu já estive doente, já estive muito doente, já familiares meus diretos estiveram doentes e mesmo morreram e, no entanto, fui sempre trabalhar. Mesmo naquelas noite em que não preguei olho porque a minha mãe não parou de gritar, às 7h30 da manhã meti-me no meu carrinho e fui dar a minha aulinha por "respeito aos meus alunos".
Um do problema mais graves da vida, muito mais que a falta de dinheiro ou de mulher (parece-me que as duas coisas estão intimamente ligadas!) é a dor crónica que é capaz não só de destruir o corpo (causa pressão elevada e contração do vasos sanguíneos) como levar a pessoa ao desespero mental.
Em tempos, quando gritava toda a noite, a minha mãe sofria muito, queria que eu a matasse, mas, depois, foi a um médico anestesiologista que lhe receitou "uns farrapinhos" (como a minha mãe lhes chama) que, colados nas costas, acabam com a dor.
a minha mãe tomava tramadol ma causava-lhe muito vómitos.

Pareceu um milagre. 
Eu não dava nada por aquilo mas colei na mesma 1/16 e esperei. Ao fim de um dia, a dor reduziu a quase nada e, ao segundo dia, dormiu descansada. 
Depois fui investigar.
Esses farrapinho têm um químico, buprenorphine, que se liberta lentamente ao longo do tempo, um emplastro liberta 35 micrograma por hora mas, no caso a minha mãe, 1/16 de um farrapinho foi capaz de acabar com aquela dores terríveis. 
As instruções foram, primeiro colar 1/16 e, a cada 24 horas, se a dor persistir, colar mais 1/16 até a dor acabar. Será essa a dose indicada para controlar a dor.

Mas o que é a buprenorphine?
É uma molécula sintética da classe do opioides que foi sintetizada pela primeira vez em 1969 e que, depois de ano e anos de testes de eficácia e segurança, deu origem há apenas meia dúzia de anos a este farrapinhos.
É da classe do opioides porque bloqueia uns recetores de dor específicos que temos no cérebro mas é muito mais potente e seguro que a morfina.
A segurança do analgésico vem a possibilidade de ocorrência de paragem respiratória e, neste ponto, a buprenorphine é muito segura. 

Vamos agora à ucranianasinha.
 Sofre de endometriose, o que lhe causa grande sofrimento em cada 20 dias do ciclo menstrual.
A endometriose afeta muitas mulheres e destrói a sua qualidade de vida porque ninguém consegue funcionar com tamanha dor.
Qual a solução que indicam à mulheres? 
Uns comprimidinhos de paracetamol (que na Ucrânia se chama  ацетамінофен - acetaminofeno)

Ma agora está a experimentar Trantec.
Um farrapo tem 20 miligramas de buprenorphine e é ativo durante muito tempo mas, porque se trata de um problema de difusão, a quantidade disponível no corpo aumenta até ao quarto dia e, depois,  começa a diminuir.
Estudando a semi-vida do buprenorphine dentro do corpo humano (uma média de 37 dias), aplicando 1/8 de um penso de 35 microg/h antes 4 dias do início da menstruação (nessa altura já começa a sentir dores ligeiras), é exatamente no quarto dia que a quantidade dentro do corpo é maior, para uma pessoa com 48kg, atinge 3,6 microg/kg de buprenorphine (ver, Fig. 1).


Fig. 1 - Evolução da quantidade de buprenorphine no corpo com 1/8 de farrapinho (48 kg de peso)
 
Até ao quarto dia esteve tudo bem.
Ontem à meia noite telefonou-me (bem dizia o meu amigo cego que hoje, sem telemóvel, não se pode ter mulher) a dizer que tinha muitas dores, não tantas como era normal mas, mesmo assim, não conseguia dormir.
Disse-lhe "Cola mais 1/8"
- Mas isso vai criar habituação - disse a coitadinha mas, como as dores estavam a aumentar, lá colou mais um bocadinho.
"E toma um comprimido de naproxeno porque só vais sentir o efeito deste novo farrapinho pela manhã."
Como não quis tomar o naproxeno que teria efeito em alguns minutos, só adormeceu às 3h da manhã.
Hoje de manhã ainda sentia alguma dor mas por esta hora já está completamente sem dor.

 Fig. 2 - Evolução da quantidade de buprenorphine no corpo quando se acrescenta 1/8 de farrapinho e se mantém o outro que já lá está há 4 dias (48 kg de peso)
 
Mas não deveria ter retirado o farrapinho velho?
Diz na caixa que sim mas é apenas para que a quantidade dentro do corpo não varie tanto.Retirando, fica mais previsível além de que, com o tempo, o penso descola (meti um adesivo por cima) e causa coceira.

Penso que já sei a dosagem certa.
Com 3 microgramas/kg no corpo consegue controlar as dores iniciais mas precisa de 5 microgramas/kg  para controlar o primeiro dia. Então, se começar 4 dia antes com 1/8 e reforçar com 1/16 passados 3 dias, vai chegar ao primeiro dia de menstruação com 5 microgramas/kg, quantidade que se vai manter estável durante 4 dias e acima de 3 microgramas/kg até ao dia 10 do ciclo (15 do tratamento).
Penso ser suficiente mas no próximo mês vamos ver. Tudo isto é um processo de tentativa e erro

 Fig. 3 - Evolução da quantidade de buprenorphine no corpo quando se acrescenta 1/16 de farrapinho e se mantém o outro que já lá está há 3 dias (48 kg de peso)

É bom e barato.
Uma caixa com 10 farrapos custa 41€ sem comparticipação pelo que, usando 1/8 + 1/16, estamos a falar de qualquer coisa como 0,80€ por ciclo mentrual para destruir uma dor impossível de tolerar.
Com participação normal custa 28€ e, para doentes com necessidades especiais, fica por 4,10€ (é preciso invocar na receita a portaria não sei quê).
A coitadinha começava por tomar 1 Benuron a cada 8 horas mas nos dias piores tinha que tomar um a cada 3 horas o que dava qualquer coisa como 70 comprimidos por ciclo, 3,5 caixas de 20 comprimidos. era uma custo de 10€ o que, para uma pessoa que ganha 100€/mês, é muita coisa.

Porque será que não se usa mais Trantec?
É talvez por ser um medicamento novo para o qual os médicos e família ainda não estão avisados e talvez também pelo preconceito de ser um opioide.
Temos todos que lutar para que a dor saia da vida das pessoas e o Trasntec é um milagre moderno para uma enormidade de situações complicadas.

Espero com esta informação poder contribuir para que milhões de pessoa com dor vejam a sua vida melhorada.
A tecnologia não serve apenas para fazer carros ou aviões mas também para criar moléculas que acabem com a dor, sem qualquer preconceito.

Já agora.
Precisei, disse o meu médico, de meter uns diazinho de baixa.
O esquerditas defendem tanto o direito dos trabalhadores e um deles é exactamente este!


quarta-feira, 9 de novembro de 2016

A vitória do Trump, as sondagens e a mulher

Tenho andado desaparecido como o Piloto. 
Veio o Orçamento de Estado para 2017, mais dívida pública, mesmo problemas no meu emprego onde sou terrivelmente perseguido e eu não disse nada por causa da mulher.
Sim, digo mulher e não mulheres em geral porque é uma em particular: a moça que veio da Ucrânia para me retirar da minha vida monótona. O problema é que ainda não sei se é um anjo que me vai levar para o Céu ou um demónio que me vai roubar a alma (e os euros) para depois grelhar o meu corpinho no fogo infernal.
Seja como for, fiquei a saber que uma mulher tem a capacidade para nos infernizar a vida, ocupar a nossa mente dia e noite, tirar-nos o sono, o apetite de comer, fazer as nossas pressão arterial e pulsação aumentar mas também ter momentos de grande alegria, mesmo euforia, e esquecer todos os outros problemas que antes nos afligiam.
Assim sendo, agora estou-me borrifando para o meu trabalho (costumava corrigir os testes de um dia para o outro e, agora, já lá vão mais de 15 dias e eu nada), para as coisas do governo e todas as pulhices que os meus colegas me fazem (ou tentam fazer pois o meu ordenado é certo ao fim do mês).
Estou noutra onda, desculpem, e por isso é que não tenho escrito nada.

Vamos vamos um bocadinho ao Trump.
Desde que este homem apareceu como candidato a candidato republicano, a maioria dos dias eu acreditei que iria ganhar. como mostrei num gráfico com sondagens, a tendência era sempre a subir mas com, no meio, uns acontecimentos catastróficos que o faziam perder de um dia para o outro toda a vantagem.
A sorte é que, dizem os especialistas sobre informação, quando um acontecimento negativo tem um impacto -100, um acontecimento semelhante a seguir só terá um impacto -50 e um terceiro apenas -25 porque, num processo de aprendizagem bayseano, os agentes vão passar a considerar esses acontecimentos como naturais. Digamos que o primeiro acontecimento revela já uma parte substancial da informação contida (novamente) no segundo acontecimento e por ai fora.
Só assim se compreende que existam homens casados com prostitutas. 
Não é que haja alguém que, perguntado em pequenino, "O que queres ser quando fores grande" diga "Casado com uma prostituta" mas, a informação revelada uma após a outra faz com que o homem se vá adaptando à situação até que a passa a achar natural.

Fig . 1 - "That man (Trump) is not fit to be the next president of USA" disse repetidamente o Obama.
O problema é que os USA não são um desses países de África onde o presidente seguinte é escolhido pelo presidente em exercício. Nos USA existem mesmo eleições onde os americanos são quem tem a última palavra sobre quem é fit e quem não o é. 
Afinal, o Obama não foi capaz de transformar a democracia americana numa democracia avançada como a de Angola.


Vejamos esta história verdadeira.
Certo dia muito frio, no trabalho, alguém disse "Oh amigo João! gostavas de fazer amor a três?"
 - Bem, nunca experimentei mas não me importava de experimentar
 - Ai sim? Então, vai a correr para casa que pode ser que ainda encontres lá o outro com a tua mulher!
O João foi a correr, entrou em casa de rompante, dirigiu-se ao quarto que estava escuro. Como a luz estava fundida, abriu a janela e, depois, as portadas de madeira já muito corroída pelo tempo. Aquilo, para bem dizer, era mais uma construção abarracada que uma casa. Depois, puxou a roupa da cama e apanhou em flagrante a mulher nua com um homem gordo também nu por baixo dela. O homem parecia um funcionário público, parado, a disfrutar.
- Ah minha puta e desgraçado de merda que vou-vos matar à porrada.
O homem gritou "Por favor, não me bata que eu sofro do coração" mas a mulher muito calmamente disse "João, antes de nos matares, tens que me ouvir."
- Fala então minha puta de merda.
- Esta nossa casa é fraquinha mas temos um bom carro, todos os agosto vamos passar 15 dias de férias ao Algarve e até já houve um ano em que fomos ao Brasil com tudo incluido, a água e a luz estão sempre pagas e nunca nos atrasamos no pagamento da renda. Agora faz contas, tu trases para casa 500€ por mês e eu estou desempregada ...
- Mulher, sabes que eu, porque te amo verdadeiramente, quero o melhor para ti. Por isso, vou fechar a janela que o Sr. ainda se pode constipar.

Mas as sondagens.
Ninguém controla as sondagens. Quando uma sondagem diz "Clinton tem 7 pontos de vantagem sobre Trump", ninguém pode verificar os dados, apenas fiar-se na credibilidade de quem emite o resultado.
Acontece que havia uma sondagem que dava sistematicamente o Trump à Frente, LA Times / USC Tracking, enquanto todas as outras o davam a perder por muitos.
Afinal, estavam quase todos errados ou queriam enganar o povinho.

Fig . 2 - Evolução da sondagem LA Times / USC Tracking que mostrava que Trump ia à frente. 
O escandalo dos e-mails da Clinton anulou o escandalo do Trump dizer que "um homem rico pode meter a mão no sapo das mulheres bonitas, aspirantes a ricas, que estas não só não se importam como estam ali de pernas abertas mesmo a pedi-lo".

O que hoje sei e que quase ninguém sabe.
Em tempos, há dezenas e dezenas de anos, tive uma relação amorosa durante anos e anos. É esta a vantagem de ter 51 anos, é quie tudo pode ter sido durante anos e anos e, ainda assim, há décadas. Durante esse tempo todo, a minha senhora nunca teve um .... Naturalmente, isso com o passar dos anos foi-me causando dano psicológico e penso ser uma coisa que causa dano a todos os homens (e mesmo às mulheres).
O que hoje sei é que todos os .... das mulheres são falsos, que elas não conseguem atingir o .... que não seja de forma digital ou com a ajuda de instrumentos mecânicos. E que, por terem vergonha de o dizer abertamente e de o fazer em "público", nunca o chegam a ter em presença da pessoa amada.
Por isso, mulheres e homens por esse mundo fora, é natural as mulheres não terem .... durante a ...., sendo que são muito mais sofisticadas que os homens porque, enquanto que as mulheres já estão na era digital, nós nos mantemos teimosamente na era manual.

Um abraço para todos
Principalmente para todos aqueles republicanos que fizeram uma guerra sem quartel ao Trump.
Afinal, o Trump não fez uma fortuna de milhares de milhões de euros a ver passar falhados e a deixar que outros metam a mão onde ele pode meter a dele. Se não fosse assim, de que serviria ser rico?
Penso que, agora, as aspirações do Paul Ryan (o das orelhas para fora) vir a ser alguma vez presidente americano se reduziram a zero.

Fig. 3 - Ao saber da vitória do Trump, o Paul Ryan até chorou "Apostei tudo o que tinha e não tinha e, no final, optei pelo cavalo errado. O que mais me doi é que fui eu próprio que me fodi."


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O Guterres na ONU e o OE2017 a nú

Eu tenho estado ausente da escrita. 
E isso tem a ver com a Ucraniana que consome o meu pensamento.
Mas agora que, mesmo antes de começar, a coisa parece que já entrou em crise, já tenho a minha mente um pouco livre para escrever aqui algumas coisinhas.



És tão boa menina que até não me importava de partilhar a minha caminha com o teu corpinho angelical. Mas perna cruzada faz mal à circulação (ver).

Vamos então ao Guterres.
A criatura é o exemplo acabado do óptimo professor (no dizer dos alunos que gostam dele): "Sabe tanto e é tão inteligente que não consegue exteriorizar nada."
O Guterres é assim no sentido de que todos os amigos lhe reconhecem grande inteligência e demais qualidades intelectuais mas, se formos ver ao que o homem fez ou disse na sua vida, não lhe conseguimos encontrar uma única opinião sobre nada. 
Contrariamente ao Prof. Marcelo que já disse tudo sobre tudo, o Guterres disse nada sobre nada.
Sendo a única pessoa no Mundo que não se lhe conhece opinião sobre nada, apenas ele poderia ser Secretário Geral da ONU.
E vai continuar assim mesmo, com um discurso de entronização retirado tal e qual daqueles momentos ternurentos em que a Miss Mundo recebe a fita "Vou lutar para que acabem a fome e as guerras no mundo, em particular, com a guerra na síria que está a causar tanto sofrimento ao povo sírio."

Querem a minha opinião? Uma piroca deste tamanho é grande se vista de perto mas pequena se vista de longe, ou o seu contrário, se se usar um telescópio invertido.

Mas quem causa a guerra na Síria?
O problema é que são os sírios que estão a matar os sírios à força toda.
Então, se o "povo sírio" estivesse a sofrer, pura e simplesmente, ele próprio acabava de matar o seu irmão.
Mas, mais uma vez, o Guterres quis falar sem dizer nada. A guerra da síria não é uma questão do "povo da síria" vítima do abstrato inimigo mas de sírios apoiantes do Assad (shiitas) contra sírios contrários ao Assad.(sunitas).

O Vasco Polido Valente deve ter muitos processos disciplinares.
Eu por escrever umas merdazitas sem importância nenhuma, já fui perseguido pela polícia durante mais de um ano (que se deram ao trabalho de me cercar e apanhar num exame) e tenho muitos de processos disciplinares, imagino que a vida do VPV deve ser um inferno quando escreve isto sobre o Secretário Geral da ONU:
"Por acaso conheço a criatura. É um homem fraco, influenciável, indeciso e superficial. A crónica amnésia deste país fez desaparecer numa semana de glória o péssimo governo que ele dirigiu; um governo que estava sempre em crise porque o primeiro ministro avançava, recuava, não era capaz de resolver nada de uma vez para sempre e, como disse Medina Carreira, caía em terríveis transes de angústia quando tinha de dizer “não”. Esse é o Guterres de que me lembro e não me parece a encarnação de um grande diplomata. Quanto ao resto, o católico a roçar o beato, cheio de amor pelos pobrezinhos, também não me entusiasma: a ONU não precisa de uma nova versão de Sta. Teresa de Calcutá." (ver, observador).

E o Orçamento de Estado para 2017?
Primeiro, há uma questão filosófica em discussão.
O tempo é um fluir, uma linha contínua que vai caminhado para o futuro. Nessa linha há pontos (por exemplo, 24h00 do dia 31 de Dezembro de 2017) e intervalos de tempo, por exemplo, o ano 2017.
Agora, a grande dúvida filosófica:
Como o instante de tempo "24h00 do dia 31 de Dezembro de 2017" (que pertence ao ano 2017) é o mesmo de tempo que "00h00 do dia 01 de Janeiro de 2018" (que pertence ao ano 2018), mesmo havendo sobretaxa de IRS, será que podemos afirmar politicamente que a sobretaxa, existindo em 2017, acaba em 2017 (e não em 2018)?

De resto está tudo bem.
O Costa na oposição, dizia que os aumentos das reformas até 263€/mês feitos pelo Passos Coelho eram uma miséria (e eram. uma média de 2,50€ cada ano). Agora no governo, diz que esses aumentos são suficientes para, em 2017, não terem mais aumento nenhum.
A lógica dos nossos esquerdistas de barriga cheia é que "Sendo que quem tem uma pensão abaixo dos 263€/mês vive em grande sofrimento e é pobre, o melhor é cortá-las de todo pois, assim, acabamos não só com o sofrimento da pessoa e reduzimos o número de pobres em Portugal."
Digamos que é uma espécie de Novas Oportunidades para acabar com os pobres. De facto as pessoas não aprenderam nada mas, nas estatísticas, já estamos ao nível dos países mais desenvolvidos.

O errado é a subida do Salário Mínimo.
A minha ucraniana está a trabalhar (comigo!) no estudo da corrupção. A questão é que, apesar de a vermos globalmente negativa, a literatura aponta para o caso em que, havendo uma economia com um quadro legislativo ineficiente, a corrupção pode ter um efeito positivo no sentido de que permite que actividades proibidas possam ser exercidas. O exemplo histórico é o amanhar dos cadáveres que, apesar de proibido pela Santa Madre Igreja (ainda hoje, uma das obras de caridade é enterrar os mortos), mediante uns cobres, coveiros sem princípios vendiam cadáveres para as aulas ilegais de anatomia.
Uma uma colega minha, a ATL, toda socialista, disse logo, mas temos é que acabar com as más políticas.
Ora a subida do salário mínimo é uma das piores políticas para que uma economia possa funcionar bem.
Naturalmente, ao reduzir a liberdade de contratação do trabalhador (que não pode trabalhar, mesmo que queira, por um salário mais baixo), está a reduzir o seu bem-estar.
E este prejuízo é causado nas pessoas com menor produtividade, nos jovens, nas mulheres, nas pessoas com baixa escolaridade, nos velhos, exactamente quem, em teoria, os esquerdistas dizem querer defender.
Não há qualquer evidência empírica ou trabalho teórico que defenda que a existência do Salário Mínimo é bom seja para quem for. No entanto, ai está ele.
Se em Portugal, país de doutores, é assim, imagino como será na Ucrânia!
Por falar nisso, a minha ucraniana ganha como professora universitária com mestrado e doutoramento exactamente 3000 Merdas pior mês (a moeda de lá) que dá 103€/mês?
Como se pode viver com isto? Com muita dificuldade, (por exemplo, a mocinha disse que nunca come carne!) e ainda consegue poupar 20€ por mês.
Vou ter que dizer que a salsicha é de carapau.

Finalmente, o crescimento e a produtividade.
Lembram-se que os esquerdistas sempre disseram que a economia tinha que crescer, que o caminho não era a austeridade mas sim o crescimento da produtividade.
Não é que no primeiro semestre a produtividade se ficou pelos 0,3%/ano quando os países da OCDE têm uma média de 1,1%/ano?

Custa mais ser governo do que oposição.
A Geringonça prometeu que tudo iria ser devolvido, iria proporcionar um período de grande crescimento económico, em que as pensões e os salários iriam aumentar e os impostos descer, isto tudo com o bater do pé às instituições europeias.
Continuam a meter a palavra "devolver" antes de tudo mas o que estão a devolver é os pobres à pobreza, os ricos à riqueza (sim, o IMI desce para os mais ricos) e os desempregados ao desemprego.

Agora é que estou bem, não tenho que afirmar coisas na oposição para logo as desmentir no governo



,

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O fim dos taxis está muito próximo

A geringonça está a preparar a machadada final nos táxis.
Os táxis são uma tecnologia muito antiga, do tempo em que as carroças eram muito caras e de manutenção difícil, quase ninguém sabia conduzir e o custo da mão de obra (do cocheiro) era baixo.
Ao longo das décadas tudo isto mudou, o que foi contrariado pelo aumento das restrições legais à profissão de taxista.
Para avaliarem a facilidade de manter um carro funcional, na segunda-feira passada fui à oficina mudar o óleo ao meu carro sendo que a anterior vez que o tinha feito tinha sido em Abril do ano passado, há 17 meses, 26 mil km atrás, sem nunca nada mais fazer do que meter gasolina (talvez 1600€).

Vejamos o custo do transporte individual.
O meu carro custou 10000€ e dá para 300000km. Somando um consumo de 4,5litros/100km, com amortização, combustível, seguro, manutenção e portagens, o custo fica ligeiramente abaixo dos 0,15€/km.
Este custo é metade do preço de uma viagem em autocarro nos STCP (Porto) ou na CARRIS (Lisboa) que têm uma média de 0,30€/km e um oitavo do preço de uma viagem de táxi que andará numa média de 1,2€/km (incluindo a bandeirada).

Mas eu sou o condutor e não levo dinheiro!
Sou o condutor mas isso não me causa desgaste nenhum relativamente a ir sentado no lugar do morto.
Aposto mesmo que pelo menos 80% das pessoas que precisam de transportes não fazem qualquer sacrifício em conduzir o veículo.

By the way
A minha ucrhanianhazinha gostou do meu carrinho, tendo mesmo dito "Your car is huge inside, I could live in it" o que é bom indicativo. Olhando para um carro tão pequenino e dizer "It is huge" liberta-me um pouco do pior dos pesadelo de um homem pode viver: ouvir "You pendrive is enormously small".
Pelo lado das ucrhanihanazinhass, o pior pesadelo é que lhes digam "Your boobs are so tiny looking like a  par of fried eggs."

Mas vendo os ovos, não se saber se a carne é ou não gostosa
 
Porque será que ainda existem táxis?
Não parece ter lógica económica que existam clientes para carros com condutor quando quase todos nós somos capazes e até sentimos gosto em conduzir.
Para existir tem que haver algum problema.
Mas antes de falar desses problemas, vou explicar a economia dos táxis.

O mercado fechado.
O mercado de táxis é fechado no sentido de que o número é limitado por lei e o preço é igual em todos.
1 => Existe limite na quantidade.
2 => Não é possível fazer descontos no preço.

Estas duas condições traduzem que os taxistas fazem um cartel o que, apesar de estar regulamentado por lei, é contrário à lei da concorrência.
Ao formarem um cartel, quem sofre são os clientes que têm que pagar um preço mais elevado e andam menos de táxi do que andariam se o mercado fosse concorrencial.

Quem ganha com o mercado fechado?
Podemos pensar que são os taxistas atuais.
Se qualquer pessoa pudesse pegar no seu carro e fazer transportes de passageiros, o preço do transporte iria por ai abaixo fazendo como os salários dos condutores fossem cada vez menores.
Se hoje, por exemplo, ser taxista rende 6€/h, este valor diminuiria e, no final, só pessoas disponíveis para ganhar menos é que continuaria a fazer transportes. Por esta razão é que em Londres só se veem indianos a conduzir táxis.

(POR FAVOR, NÃO LEIA O QUE VEM A SEGUIR: escrevi indiano como um termo genérico para "Pessoas oriundas de países onde o salário médio está abaixo de 100€/mês e que imigram para o ocidente à procura de uma vida melhor sujeitando-se a trabalhar como taxistas por tuta e meia e, as mulheres, a trabalhar deitadas e a casar com o Pinto da Costa ou com professores decrépitos que já lá só vão com dose de 100 mg de Viagra".)


Quem ganha não são os taxistas mas os detentores das licenças.
Vamos supor que o custo sem condutor de um táxi é 0,25€/km e que faz uma média de 100km/dia a 1,00€/km. Neste caso o táxi tem uma margem de 100€/dia-25€/dia = 75€/dia.
Se um motorista estiver disponível para trabalhar por 60€/dia então, depois de pagos todos os custos, o dono da licença ganha 15€/dia o que, para uma taxa de juro de 5%/ano, traduz que a licença vale 112 mil€ (uma obrigação perpétua, =15/((1+5%)^(1/365)-1).)

Vamos imaginar o liberalizar do mercado (a quantidade e o preço).
O preço do transporte irá diminuir e o tempo de paragem também o que fará com que a margem que antes era de 75€/dia, vai diminuir até aos 60€/dia, altura em que o valor da licença cai a zero.
Nesta primeira fase, quem perde são os donos das licenças.

Na segunda fase, os motoristas que exigem rendimento mais elevado, vão sair para atividades alternativas enquanto que vão entrando pessoas que estão disponíveis a trabalhar ganhando menos. Começarão a aparecer mulheres, jovens estudantes, indianos, africanos e mais pessoas "marginais" porque atualmente, com o GPS nem é preciso saber as ruas da cidade nem sequer compreender bem o português (o cliente pode mesmo escolher diretamente no GPS para onde quer ir).

Qualquer das limitações é fundamental.
O principal justificação para que a licença tenha valor é a limitação da quantidade de táxis (por exemplo, um máximo de uma licença por cada 1000 eleitores) mas a impossibilidade de negociar preço também é importante para aumentar o seu valor (é um cartel)

Agora a Geringonça vai limitar as limitações à entrada de novos operadores.
Se deixarmos entrar qualquer um com o preço que quiser (ver, projeto legislativo), os preços vão inevitavelmente cair até que apenas as pessoas disponíveis para trabalhar ao salário de equilíbrio concorrencial (baixo rendimento horário) ficam no mercado.
Vejamos se o que a Geringonça pretende impor aos transportadores (a que chama TVDE) é suficiente para restringir as entradas
  A) Carros só podem ter um máximo de 7 anos => não me parece
  B) Condutor tem que fazer 30h de formação => não me parece
  C) Têm que ter seguro idêntico ao dos taxistas => não me parece
  D) Não podem andar na via BUS => não me parece
  E) Não têm benefícios fiscais => não me parece
Nenhuma destas limitações me parece um limite à entrada pelo que serão incapazes de manter a atual situação de cartel.

É como a escravatura.
Quem tem licenças vai perder a aparente riqueza que elas aparentemente representavam mas os condutores  sem licença não perdem nada.
Comparemos emtão com a escravatura.
Imaginemos que, em mercado concorrencial, um trabalhador livre ganha 500€/mês e que nesse mesmo mercado livre um escravo custa 200€ em comida e alojamento (não ganha nada).
Apesar de o escravo parecer mais barato 300€/mês, não é assim porque é preciso comrpar o escravo e, em concorrência, o preço de compra do escravo vai traduzir o valor atual de todos esses 300€ que o homem livre iria receber a mais (63 mil € para uma taxa de juro de 5%/ano e 40 anos de trabalho).
Além desta igualdade, acontecia que o escravo não tinha incentivos para trabalhar (trabalhava pouco e só a poder de porrada)
Foi por isto que a escravatura acabou e não por a humanidade se ter tornado mais humana.

Como vejo os transportes públicos do futuro.
Para verem que não estamos sob uma limitação tecnológica mas apenas legal, vou trabalhar com carros iguais ao meu, i.e., que precisam de condutor.
Vou pensar como vai funcionar o mercado dividindo-o em veículos e clientes.

A) Do lado dos veículos
Pessoas compram carros para alugar sem condutor.
Vão a um stand e compram um carro qualquer, novo ou usado, grande ou pequeno, da marca que quiserem e da cor que bem entenderem, a gasolina, gasóleo, GPL, gás natural ou elétricos.
O carro terá apensa que ter um GPS capaz de transmitir a localização do veículo.
Poderá haver pessoas que têm um veículo e outras que têm 1000.
Estou a imaginar que o veículo tem uma luzinha que pode ser vermelha (ocupado) ou verde (livre).

Regista-se o carro em sites de aluguer de veículos sem condutor.
O registo vai servir para ligar a parte dos veículos à parte dos passageiros.
No registo, o dono vai dizer informação que ajude o passageiro a escolher o veículo.
Vai ter que introduzir as características do veículo e quanto quer pelo transporte.
O preço do transporte pode ser simples (0,50€/km), mais elaborado (1,00€ + 0,30€/km + 0,05€ por minuto) ou ser um modelo complexo que incluía, entre outras variáveis, os quilómetro percorridos, tempo da viagem, hora do dia, consumo de combustível, portagens, número de passageiros e peso transportado e que esteja aberto a dar "promoções em cartão".
 O preço será transparente para o cliente através de um simulador.
A cada momento, o site vai interrogar o GPS do carro para saber onde este se encontra.

A) Do lado dos passageiros
Quando o cliente precisa de um carro ...
Procuram nos sites especializados que lhes fornecerão um apanhado dos carros disponíveis com a distância a que estão estacionados, as suas caraterísticas e o preço da viagem pretendida. A pessoa escolhe o veículo e dirige-se para o local onde o mesmo está estacionado.
O cliente também se pode dirigir diretamente a um veículo estacionado que esteja livre (com a luzinha verde) e, usando um ecrã tátil localizado numa janela, perguntar-lhe qual é o preço da viagem que pretende fazer.

Quando chega ao carro, enfia o Multibanco na ranhura e arranca.
O cliente enfia o multibanco na ranhura que tem na porta e marca o código o que faz as vezes da chave. A porta abre-se e, a partir dai, pode por o carro a trabalhar e fazer a sua viagem, desde o ponto em que está até onde bem entender. 
No final da viagem, estaciona o carro num sítio qualquer e, assim que fechar a porta, a sua conta bancária é debitada e o recibo eletrónico emitido. 

Onde está o problema tecnológico para que isto não exista?
Em lado nenhum mais que não seja na necessidade de haver no mercado um seguro contra todos os riscos.
Pode acontecer o cliente arranhar a pintura, rasgar os estofos, ter um acidente ou mesmo roubar o veículo e desmonta-lo para vender as peças. Se eu tiver 1000 carros que custaram 10 milhoes€, a perda de um carro será de apenas 0,1% pelo que todos os riscos se podem diversificar e traduzir numa parcela, talvez 0,05€/km, a somar aos 0,15€/km mas, se tiver apenas um carro, o risco fica relativamente grande. A forma de ultrapassar este problema é o mutualismo, o aparecimento de seguros contra todos os riscos que ultrapassem esta "falha de mercado."
Talvez seja preciso o cliente identificar-se com o Cartão de Cidadão, talvez seja preciso que a conta bancária tenha um saldo mínimo mas tudo vai passar, para além da liberalização da legislação, pelo aparecimento de um seguro que cobra os riscos do aluguer de veículos sem condutor.

As eleições americanas estão a chegar a um ponto de empate.
Hoje é o primeiro debate entre o Trump e a Clinton.
Interessante que, depois de a Cinton ter em Abril uma vantagem de 9 pontos percentuais, agora os dois candidatos estão taco a taco. Na sondagem das sondagens que eu vou construindo, hoje a Clinton está com uma vantagem de 0,7 pontos percentuais, com um erro de previsão na ordem dos 2,4 pontos percentuais.
A Clinton ainda tem vantagem que é mais significativa se descermos ao nível dos estados mas tudo está em aberto.

Evolução da média das sondagens sobre as presidenciais americanas Trump/Clinton

Finalmente, o défice público.
Não tenho confiança nas contas da Geringonça e, mesmo que estejam correctas, o importante, como diziam os esquerdistas quando o Passos Coelho era primeiro ministro, é a taxa de crescimento da economia e a dívida pública (que é o que temos que pagar).
Mesmo assim, estou a ler na televisão que a odéfice foi menor em 81 milhões que o ano passado.
Ora fazendo uma conta simples, se o ano passado o défice foi de 3,1% e este ano queremos que seja 2,5%, teria que haver uma redução de 0,6% PIB que, em 7 meses, precisaria de uma redução de 650 milhões €.
     185*7/12*0,6% =  650 milhões€.
Com uma poupança de 81 milhões €, atira o défice para os tais 3% que o FMI referiu.
Mas vamos aguardando que a Geringonça vai-se estatelando como está a acontecer ao PSOE.
E, no entretanto, o meu salário vai sendo "reposto".

Não tenho visto a menina porque tem estado doente.
Estive a calcular o índice de massa corporal e tem 17,7.

O imc desta deve ser muito maior que 17,7.

Um abraço

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code